Avulsão em Adultos

O sucesso do tratamento depende de vários fatores mas os mais importantes são:

-Tempo de permanência do dente fora do alvéolo

-Meio em que o dente foi mantido

Situação 1.

Em casos em que o dente foi avulsionado, devemos primeiramente localizar o dente no local onde ocorreu o trauma dental. Após a localização do dente devemos lavá-lo com água corrente, de preferência segurando-o pela coroa (parte do dente que fica para fora da gengiva na boca) e se possível levá-lo em posição na boca. Em seguida deve-se procurar um cirurgião dentista para que sejam tomados os cuidados necessários e seja realizada uma avaliação mais detalhada do caso (se possível levar a carteira de vacinação do paciente).

Situação 2.

Neste caso o paciente sofreu trauma dental e o dente foi avulsionado. O paciente após perceber a avulsão do dente tentou localizá-lo e o encontrou. Lavou o dente em água corrente mas não conseguiu levar o dente em posição na boca. Deve-se então procurar um meio úmido para manter este dente hidratado e procurar mais rápido possível um cirurgião dentista. A taxa de sucesso do caso é muito maior se o paciente não levar mais de 120 minutos após o traumatismo dental, para ser atendido. Recomenda-se não manter o dente em soluções ácidas e as mais indicadas para o armazenamento e transporte são:

-Leite

-Saliva

-Água de Côco

-Soro Fisiológico

Em seguida o paciente deverá procurar um cirurgião dentista habilitado para dar procedimento no tratamento.

Situação 3.

Paciente sofreu traumatismo dental e ocorreu avulsão dental. Como nos outros casos deve-se localizar o dente e lavá-lo para logo em seguida tentar reposicioná-lo no alvéolo dental. Se não for possível realizar o reposicionamento deve-se manter o dente em meio úmido como o leite, soro fisiológico, saliva ou água de côco para mantê-lo hidratado. Caso demore mais do que 120 minutos todo este procedimento, o reimplante no alvéolo dental É CONTRA INDICADO. Recomenda-se procurar um cirurgião dentista para que sejam realizados os procedimentos adequados.

Lembramos que para os três casos acima é importante que a carteira de vacinação esteja presente para avaliar ou não a necessidade de tomar vacina antitetânica e que o paciente ou responsável pelo mesmo saiba responder se há caso de alergia à antibióticos do tipo penicilina.

Estas três situações descritas acima encontram-se disponíveis no em um manual ilustrativo, localizado na barra principal do blog e que possui o nome de: Material Complementar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: